02 de Março, 2020

Aposentada fala sobre as graças que presenciou do Beato Donizetti 

 A sra. Maria Cândida Marques de 85 anos, aposentada como técnica de enfermagem, é prima da Mariquinha Rezende que foi secretária do Beato Donizetti e do Custódio, que foi seu motorista, ambos já falecidos. Nascida na fazenda do município de Santa Rita do Passa Quatro (SP), veio para Tambaú com 4 anos. Com 15 anos foi residir em São Paulo. Retornou quando tinha 30 anos para visitar a prima. No ano passado voltou para morar de novo aqui. Estudou na Escola Dr. Alfredo Guedes e, quando residiu na capital, tinha como colega de turma o famoso jornalista Joelmir Beting (in memorian) que foi inclusive coroinha do Pároco. Ela também se recorda que ajudou a receber dois soldados tambauenses que haviam participado da guerra, na época.

Ela relata fatos importantes da história relacionadas ao Sacerdote: "Quando tinha 14 anos, representei a Verônica na procissão da sexta-feira da Paixão a convite do Padre Donizetti. Como residia próximo à Casa Paroquial, estava sempre lá conversando com ele. Conheci a dona Rita que era a cozinheira. Levava doce de leite e arroz doce que ele gostava muito. Ele que me ensinou a comer com a faca.  Ajudava enfeitar as Igrejas e armar o presépio na Matriz Santo Antônio. Ele gostava muito de leitura. As revistas, ele lia primeiro e depois deixava os outros também lerem. Era muito humilde e não permitia que as mulheres entrassem na Igreja sem o véu. Era enérgico, sério e muito justo."

A dona Maria se recorda com carinho do dia que recebeu uma graça através dele. Ela também faz questão de contar os milagres que presenciou: "Certo dia estava com uma dor de ouvido insuportável. Passei na Casa Paroquial, o Padre colocou as mãos sobre minha cabeça e deu a benção. Me lembro que sarei na mesma hora. Teve um outro fato que nunca me esqueci: ele não saiu de Tambaú e foi benzer um corpo em Vargem Grande do Sul. Aí fiquei pensando: como poderia ser aquilo, estar em dois lugares ao mesmo tempo. A gente não imaginava o poder que dele emanava. Tem também a cura da Velha Milionária que era paralítica. Ele benzeu e ela foi curada. Queria presenteá-lo com o colar de ouro que ele não aceitou e pediu que entregasse à primeira pessoa que encontrasse na estrada.  Como era uma senhora muito pobre, se arrependeu e não deu o colar, apenas uns trocados. Voltou a ficar paralítica."

A sra. Maria Cândida está muito feliz em retornar para Tambaú, um lugar que gosta muito e lhe traz ótimas lembranças; principalmente com relação ao Beato Donizetti. "Vou fazer minhas orações para que ele seja logo canonizado e se torne um Santo Universal, pois só fez o bem aqui na terra e ajuda muita gente", completou a aposentada.

Por: Francisco Sartori
Testemunho - Maria Cândida Marques